A 3ª oficina da parceria IDLocal e ISCV teve como foco a atuação e relacionamento das organizações com suas cadeias de valor

Oficina aborda inovação em desenvolvimento local a partir dos desafios da articulação entre atores locais e cadeias de valor de grandes empresas em seus territórios de atuação 30/07/2014
COMPARTILHE

Milene Fukuda
 
Os impactos de uma empresa e suas cadeias de valor em um território não se restrigem ao negócio: dinâmicas sociais, culturais, econômicas, ambientais e políticas acabam sendo alteradas - em alguns casos, profundamente. Os efeitos desse fenômeno passam pelo aumento da oferta de empregos e de compras locais, mas também são percebidos em aspectos como a descaracterização da cultura local, a sobrecarga de serviços públicos básicos, entre outros potencialmente prejudiciais ao desenvolvimento da localidade.
 
Olhar para a relação das empresas com seus territórios, vislumbrando todo o ecossistema no qual ela está inserida e levando em consideração todos os públicos da cadeia de valor: este foi o desafio abordado pela 3ª oficina do projeto Inovação em Desenvolvimento Local, parceria entre as iniciativas Desenvolvimento Local e Grandes Empreendimentos (ID Local) e Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV), voltada para a atuação e relacionamento de grandes empresas e suas cadeias de valor nos territórios em que se inserem.
 
Esta oficina teve como proposta ultrapassar os limites dos desafios internos e olhar para os outros públicos, relacionamentos e articulações que as organizações desenvolvem na localidade e no cotidiano de suas operações. “A empresa deve olhar para a cadeia de valor como parte integrante do território, seus objetivos e rotas devem ser contornados e transformados na medida em que se entende que pode ser afetado tanto quanto você afeta um território”, comentou Sônia Loureiro, coordenadora do programa Inovação na Criação de Valor do GVces.
A inovação no território também foi pauta durante o evento, dando luz a novas formas de se relacionar. Empresas que têm o desenvolvimento local em sua estratégia e dialogam com diversos públicos têm maior potencial para criar valor compartilhado ao longo de suas cadeias com diferenciais competitivos oriundos do estabelecimento de clusters locais. “Mesmo engajada e exercendo um papel de liderança social, uma empresa não pode achar que vai dar conta de toda a realidade de um território diverso. A articulação entre empresas é fundamental”, pondera Lívia Pagotto, coordenadora da ID Local.
 
A próxima oficina do Ciclo 2014 está programada para 03 de setembro, quando serão apresentados os casos selecionados para ilustrar boas práticas de inovação em desenvolvimento local. Ainda está prevista a realização do último encontro do grupo de trabalho (GT) para pactuação das mensagens do ano e outros elementos que constituirão a publicação final da Iniciativa a ser lançado no final do ciclo.