Bota na Mesa lança publicação e abre 3º ciclo de atividades

Evento na FGV marca o lançamento de publicação do projeto Bota na Mesa com recomendações para inclusão da agricultura familiar e o início de seu 3º ciclo de atividades 20/12/2017
COMPARTILHE

O último dia 12 de dezembro representou um marco importante para o projeto Bota na Mesa.

Após dois anos de atividade intensa junto a um grupo de 9 cooperativas de agricultores familiares de São Paulo e entorno, apoiando seu acesso ao mercado, o projeto lança uma publicação com os aprendizados desse percurso e faz recomendações para a inclusão da agricultura familiar na cadeia de alimentos de grandes centros urbanos.

Essas recomendações têm como foco os três principais atores com quem o projeto se relacionou nos últimos dois anos: agricultores, varejistas e compradores públicos, responsáveis pela compra para a merenda escolar.

Ampliando o diálogo e compartilhando resultados

Para celebrar esse momento e trazer ao público uma amostra do que foram as experiências vividas no Bota na Mesa, na tarde do dia 12 de dezembro o projeto promoveu um evento aberto em que numa roda de conversa sentaram para compartilhar seus desafios algumas das pessoas que participaram das atividades: um agricultor familiar de Jundiapeba, o seu Ivo, a responsável pela merenda escolar de Mogi das Cruzes, Eliana Mangini, a responsável pela compra de frutas, legumes e verduras da rede varejista Grupo St Marche, Malu Penna, e o Arthur Cursino, fundador da Go! Horti, start-up que faz a ponte entre pequenos produtores e canais de venda, buscando criar relações mais justas.

Foram abordados diversos aspectos do relacionamento entre agricultores familiares e os canais de venda, como formas de negociação, padrão dos produtos, gestão da informação, entre outros. Seu Ivo emocionou a todos os presentes ao narrar com paixão sua relação com a terra e os produtos que tira dali. O agricultor também lamentou a falta de incentivo para a continuidade dos jovens no campo.

A plateia empolgada, com cerca de 100 pessoas presentes, lançou diversas perguntas interessantes, buscando conhecer ações voltadas à redução do desperdício de alimentos, desafios de engajamento em cooperativas e, no caso das merendas, como se dá a composição dos cardápios de forma a melhorar hábitos alimentares e a saúde dos jovens estudantes.

O grande resultado dessa roda de conversa, além de trazer ao público uma amostra do que fez o Bota na Mesa, é mostrar que é possível buscar diálogo entre atores diversos e com interesses conflituosos, tendo como objetivo gerar relações “ganha-ganha”.

Além disso, foi possível notar que os desafios da inclusão da agricultura familiar ultrapassam questões ligadas diretamente à comercialização e passam por educação do consumidor, presença de jovens no campo, novas tecnologias...

Esse é um indicativo de que o próximo ciclo do Bota na Mesa terá muitas contribuições relevantes a fazer para essa cadeia.

Novos horizontes do Bota na Mesa em 2018

Em 2018, o Bota na Mesa produzirá diretrizes públicas e empresariais para a inclusão da agricultura familiar, a partir de temas relevantes que serão aprofundados em Grupos de Trabalho ao longo do ano.

Para a definição desses temas, na manhã do dia 12 de dezembro, antes do evento de lançamento da publicação em que houve a roda de conversa, reuniram-se na Fundação Getulio Vargas parceiros do Bota na Mesa representando diversos elos da cadeia: secretarias de agricultura, meio ambiente e educação, atacadistas, varejistas, agricultores e empreendedores sociais.

O objetivo dessa conversa foi dar início à priorização dos temas que serão aprofundados nos Grupos de Trabalho no próximo ano.

Por meio de uma dinâmica em grupo, que partiu de um conjunto de temas já identificados pela equipe do Bota na Mesa, com base em sua experiência e um vasto levantamento bibliográfico, foram selecionados aqueles temas mais relevantes, como  adaptação às mudanças climáticas, evasão do jovem do campo, circuitos curtos de proximidade, entre outros.

Os resultados dessa dinâmica serão analisados pela equipe e os primeiros encontros dos grupos de trabalho já devem se dar no primeiro trimestre de 2018! 

Fotos: Yantra Imagens/Divulgação GVces