Bota na Mesa: Plano de Trabalho

Ciclos de formação com organizações de agricultura familiar 21/12/2017
COMPARTILHE

Ciclo 3 (2017-2018)

Após dois anos de trabalho com cooperativas de agricultores familiares, construindo e apoiando a execução de estratégias de acesso a mercado, o Bota na Mesa amplia sua atuação e inicia seu terceiro ciclo, com o objetivo de construir e disseminar diretrizes públicas e empresariais para a inclusão da agricultura familiar na cadeia de alimentos. Iniciado em dezembro de 2017, esta nova etapa do projeto se desenvolverá em 4 fases:

1. Mobilização de atores e definição de áreas-chave

Essa fase envolve uma forte articulação com atores da cadeia de alimentos, como agricultores, varejo, indústria, governos, organizações da sociedade civil, financiadores e consumidores. Ainda, através da realização de workshop com especialistas, serão definidos temas-chave para inclusão da agricultura familiar na cadeia de alimentos e agendas para os grupos de trabalho.

2. Grupos de trabalho

A partir dos temas-chave definidos, serão formados grupos de trabalho multistakeholder que farão reuniões periódicas com o objetivo de construir diretrizes públicas e empresariais para a inclusão de agricultores familiares na cadeia de produção de alimentos.

3. Chamada de casos de inovação

Essa fase tem o objetivo central de identificar e selecionar casos de inovação na cadeia de alimentos, que podem trazer insumos para a construção das diretrizes no grupos de trabalho, além de inspirar a próxima fase, de internalização de soluções.

4. Grupos de internalização de soluções

As atividades dessa fase incluem a construção conjunta de soluções a partir das diretrizes criadas nos grupos de trabalho, a realização de pilotos de implementação das soluções junto a instituições parceiras e a publicação de estudos de casos de sucesso de implementação.

Para saber mais sobre este ciclo, acesse aqui.

 

Ciclo 2 (2016-2017)

O Ciclo 2 se iniciou na sequência, e se estendeu por um ano, do segundo semestre de 2016 ao segundo semestre de 2017. O foco principal foi o apoio e acompanhamento da implementação dos planos de ação construídos coletivamente no Ciclo 1 para que cada uma das organizações participantes pudesse acessar o canal de comercialização de seu interesse.

Assim, esse ciclo envolveu forte articulação com atores da cadeia para realização dos pilotos de venda e negociação dos produtores com os canais de comercialização. Esse ciclo também exercitou, junto às organizações de produtores, o olhar interno para melhor estruturá-las e aumentar suas vendas. Entendemos ser essa uma contribuição para que os produtos cheguem à mesa do consumidor com qualidade e frescor e possam elevar a renda do agricultor.

Para saber mais sobre cada atividade realizada no ciclo 2, acesse aqui.

Para conhecer os resultados dos dois primeiros anos do projeto, acesse aqui.

 

Ciclo 1 (2015-2016)

O primeiro Ciclo do Bota na Mesa teve início no segundo semestre de 2015 e se estendeu até o segundo semestre de 2016. A principal frente de trabalho foi a de formação, com oficinas e reuniões junto a nove organizações da agricultura familiar situadas na cidade de São Paulo e em regiões do entorno (veja o perfil de cada uma delas na figura abaixo). Neste ciclo, essa frente teve o objetivo central de criar um plano de ação junto com as organizações para acessar um novo canal de comercialização ou ampliar as vendas e melhorar o relacionamento com um canal já acessado.

Clique na imagem para abri-la em maior resolução

Acesse aqui e saiba mais sobre as organizações 

A escolha das cooperativas e associações de agricultores familiares partiu de um escopo de atuação territorial pré-definido (a cidade de São Paulo e seu entorno) e envolveu os seguintes critérios: (i) o perfil socioeconômico dos membros da organização, priorizando aqueles em maior situação de vulnerabilidade; (ii) a sua importância para a preservação ambiental e a resiliência da cidade, buscando organizações em locais de relevância para a disponibilidade de recursos naturais e que promovem boas práticas em sua produção; e (iii) um potencial produtivo capaz de gerar excedente para ampliar suas vendas.

O Bota na Mesa tem como importante pilar de atuação a realização de atividades em campo. No início foram feitas visitas de diagnóstico nas organizações e o processo de formação envolveu três oficinas com cada organização para a construção dos planos de ação, além de visitas técnicas para acompanhar os trabalhos. 

Também foi feita uma oficina com especialistas sobre desafios da comercialização e dois encontros integradores entre os representantes das nove organizações e os canais de comercialização, a fim de ampliar o diálogo, trocar experiências e aproximar agricultores familiares e compradores.

A trajetória do Ciclo 1 junto às organizações de produtores foi a seguinte:

Clique na imagem para abri-la em maior resolução

Para ver cada atividade realizada acesse aqui.

Para saber mais acesse a publicação Bota na Mesa: Ciclo 1 em Revista.

Frente com empresa âncora

O Bota na Mesa também incluiu em sua concepção a realização de uma frente de trabalho voltada para o setor varejista, acreditando que qualquer mudança sistêmica dessa cadeia deve passar por esse importante ator. Assim, o projeto uniu-se com o Grupo St. Marche e realizou duas oficinas com o objetivo de diagnosticar práticas de compra visando inclusão de pequenos fornecedores em cadeias de grandes empresas.