Novos horizontes para micros e pequenas empresas brasileiras

Projeto ICV Global lança publicação e celebra resultados do 2º ciclo de apoio ao desenvolvimento de uma cultura exportadora em MPE com soluções inovadoras e sustentáveis 08/08/2017
COMPARTILHE

Por Bruno Toledo (GVces)

O desafio da exportação não é algo prosaico: ele exige da empresa uma estratégia consistente de atuação nos mercados externos potenciais, articulada ao planejamento estratégico da organização. Para muitas empresas, particularmente aquelas de menor porte, esta tarefa é ainda mais complexa, principalmente pela falta de informação sobre o processo de exportação e sobre consumidores potenciais fora do país, dificuldades de armazenagem e logística, bem como problemas na distribuição e assistência técnica de produtos no exterior. Por isso, para as micros e pequenas empresas (MPE), exportar parece uma meta distante e secundária.

Porém, é exatamente esse empreendedor de pequeno porte que desponta no desenvolvimento de soluções inovadoras alinhadas à sustentabilidade, que cada vez mais são valorizadas e desejadas por consumidores nos Estados Unidos e em países europeus. Ou seja, existe aqui uma oportunidade de negócio para estas empresas brasileiras que pode ser bastante interessante não apenas para aumentar suas vendas no contexto de um mercado doméstico desaquecido, mas também na promoção do Brasil enquanto celeiro de inovação voltada para sustentabilidade.

Buscando aproveitar esta oportunidade, o Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV EAESP (GVces) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) criaram o projeto Inovação e Sustentabilidade nas Cadeias Globais de Valor (ICV Global). Este projeto tem por objetivo apoiar o desenvolvimento de uma cultura exportadora junto a MPE brasileiras e cadeias de valor com produtos e serviços dotados de atributos de inovação e sustentabilidade.

Em seu 2º ciclo de atividade (2016-2017), 30 MPE receberam capacitação e orientação para desenvolver uma estratégia consistente de atuação internacional, de maneira a aprimorar os atributos inovadores e sustentáveis de seus produtos e serviços, os argumentos de venda e a capacidade de networking, além do comportamento empresarial.

Os resultados desse 2º ciclo foram celebrados em evento realizado no dia 03 de agosto na FGV EAESP, em São Paulo, que contou com a participação de representantes das MPE participantes, que falaram sobre o processo formativo e as experiências vividas nos últimos 18 meses e tiveram também a oportunidade de expor e vender seus produtos e serviços ao público presente.

“O projeto ICV Global abriu nossos olhos enquanto empresários. Não tínhamos noção de coisas como proteção de marca e mesmo sobre direito internacional para o comércio exterior. A equipe do GVces e da Apex-Brasil nos conduziram ao longo do processo de formação de maneira cuidadosa, nos ajudando bastante”. Monica Souza, sócia-fundadora da Sigo Homeopatia, especializada em produtos veterinários homeopáticos para controle e prevenção de enfermidades em animais de produção e companhia

“A equipe de ICV Global nos mostrou que a exportação não é um sonho distante, mas sim algo possível, que não precisávamos ser gigantes para aproveitar o mercado externo. Este projeto nos fez perder o medo de exportar”. Oto Barreto Silva, proprietário da Sanhaçu, empresa produtora de cachaça orgânica

“Quando começamos neste projeto, a exportação era um mundo novo a ser descoberto, totalmente desconhecido para nós. Hoje, estamos desenvolvendo e lançando produtos voltados exatamente para o comércio exterior, para vender lá fora”. Claudio Spinola, fundador e proprietário da Morada da Floresta, que atua com soluções sustentáveis para a redução e tratamento de resíduos orgânicos

“Internacionalização e comércio exterior deixaram de ser um sonho e viraram realidade para nós. Se quisermos revolucionar nossa economia, o caminho está no apoio aos pequenos empreendedores, articulando conhecimento científico, poder público e empresas”. Luciane Fornari, sócia-fundadora da Fornari, que desenvolve tecnologias para o agronegócio

Além das MPE participantes, o evento também destacou os aprendizados e as experiências vivenciadas por alguns dos 20 pequenos empreendedores que participaram do 2º ciclo de ICV Global a partir da cadeia de valor de duas grandes empresas brasileiras, a Vicunha e a Duratex. A frente de atuação das empresas âncora tem como objetivo aproveitar a cadeia de valor de grandes organizações para promover a sustentabilidade orientada para a exportação, de forma a contribuir para a consolidação destas empresas nos mercados internacionais.

“A participação de nossa empresa no projeto foi muito oportuna. Já tínhamos alguma experiência de exportação, mas para mercados com menos exigências em termos de sustentabilidade. Mais recentemente, nossa pretensão era explorar mais mercados como o norte-americano e europeu, que são mais exigentes neste tema. Assim, ICV Global nos ajudou a aprimorar nossos diferenciais de sustentabilidade e nossos argumentos de venda junto aos clientes”. Sabrina Leitão, da Lopas Móveis, MPE parceira da Duratex no projeto ICV Global

O evento também marcou o lançamento da publicação Do Brasil para o mundo: inovação e sustentabilidade nas cadeias globais de valor, que destaca as experiências, as reflexões e os resultados do 2º ciclo de atividades de ICV Global.

“Ao longo dos dois ciclos de trabalho, nós mobilizamos 80 empresas de micro, pequeno e médio portes, além de quatro grandes empresas âncora. O projeto ICV Global tem contribuído para aprimorar práticas de gestão e a cultura exportadora das empresas e já começa a gerar negócios concretos, com produtos e serviços brasileiros ganhando espaço no mercado internacional a partir de atributos de inovação e sustentabilidade”. Paulo Branco, vice-coordenador do GVces

“Vejo este 2º ciclo como uma evolução do trabalho que começamos em 2014, aliando inovação, sustentabilidade e micro e pequenas empresas. Os empreendedores precisam saber que há mercado lá fora, mas para quem está preparado”. Christiano Braga, gerente de exportação da Apex-Brasil

Após 18 meses de trabalho e duas missões comerciais (Colômbia e Califórnia/EUA), o 2º ciclo de ICV Global se encerra no final de agosto, com a realização de uma rodada de negócios que aproximará as MPE participantes de potenciais compradores internacionais.

 

Mais informações sobre o 2º ciclo de ICV Global, clique aqui